Campos Neto diz que cartão de crédito deixará de existir.

19 Agosto 2022

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, disse nesta 6ª feira (12.ago.2022) que o cartão de crédito deixará de existir “em breve”. Ele afirmou que deseja que a moeda digital do Brasil esteja funcionando em 2024.

Ele declarou que cada pessoa terá um app “integrador” no celular. “Ninguém vai ter 5 aplicativos de bancos, que tem que entrar em um para fazer uma compra e depois entrar em outro… a gente tem o Open Finance justamente para isso. […] O integrador vai montar toda a sua vida financeira virtual e física no mesmo lugar”, declarou.

O presidente do BC disse que o Pix já soluciona problemas de pagamento e tem, inclusive, a possibilidade de fazer compras na modalidade de crédito. Afirmou que a carteira de integrador vai oferecer a ferramenta de pagamento em crédito ou débito.

“Se decidir fazer crédito, vai ter lá as taxas dos bancos. Se não, vai escolher o débito e vai ser um Pix comum”, declarou. “Vai ter uma carteira de dinheiro físico e uma carteira de dinheiro digital. […] Esse sistema elimina a necessidade de ter cartão de crédito, acho que vai deixar de existir em algum momento em breve”, completou.

Campos Neto disse que o cronograma para implementação do CBDC (Central Bank Digital Currency) atrasou por causa da greve dos funcionários públicos do BC. Ele relacionou o Real digital –que é a moeda oficial do país em formato virtual, uma govcoin– com o Pix, o sistema de pagamentos instantâneos. A ferramenta se popularizou e atualmente é uma das principais formas de pagamento e transferência do país, pela agilidade e os custos mais baixos.

Disse que as pessoas procuram uma “representação digital de algo que tenha valor”. “É um processo que começa com gamers há um tempo atrás e agora vai se avançando. Já contamina um pedaço da parte de meios de pagamento, no bom sentido”, afirmou.

Segundo ele, o mundo está migrando para uma economia “Tokenizada”, que é mais eficiente. “Alguns bancos já começaram a investir na tecnologia de tokenizar ativos, que é pegar uma coisa que tem valor, colocar um encryption (criptografia) e jogar num ledger”, disse. Afirmou que o ativo passa a ser verificável e transferível com divisibilidade.

Há empresas focadas em monetizar a realidade virtual que, inclusive são listadas em Bolsas de Valores. Campos Neto afirmou que “está apenas no começo”. “Quando a gente fala de meios de pagamento […], qual o problema que a gente está querendo solucionar? Basicamente as pessoas procuravam um meio que tinham as seguintes características: seguro, rápido, barato, aberto, transparente e integrado”, disse.

Ele participou do evento “O Futuro da Regulamentação dos Criptoativos no Brasil”, promovido pelo Escritório Figueiredo & Velloso Advogados Associados, em Brasília.

Campos Neto disse que os criptoativos são uma “pequena parte de um ecossistema”. “O tema, principalmente entre os banqueiros centrais, não é tão explorado. Acho que por ser um pouco mais técnico em algumas partes”, disse.

Ele afirmou que o mundo extrai valor de artes, fotos, propriedades e ideias. O criptoativo faz o mesmo processo com dinheiro, segundo ele.

O objetivo dos criptoativos é conectar pagamentos, open finance, monetização de dados em uma carteira digital. A moeda digital do Brasil será um “depósito tokenizado”, segundo Campos Neto. Afirmou que a moeda digital emitida pelo Banco Central, a CBDC, será o fomento de novos negócios.

Campos Neto disse que os bancos poderão emitir um “stable coin” em cima dos depósitos, em formato de token. “Se alguém quiser na cadeia de liquidação converter esse stable coins em uma coisa que seja uma moeda emitida pelo Banco Central, o BC vai garantir que todo stable coin seja transformado de 1 [stable coin] para 1 [real] numa moeda digital emitida pelo Banco Central”, declarou.

O Banco Central quer fazer uma moeda que seja extensão do real físico. Além disso, planeja fazer uma ferramenta que possa ser usada de forma on-line ou off-line.

A moeda digital do Brasil terá formato digital diferente do restante do mundo. “Se cada país fizer um sistema de moeda digital diferente, a gente vai continuar onde a gente está hoje, em termos de pagamentos internacionais”, declarou.Campos Neto disse também que os bancos centrais pretendem regular o mercado cripto com “mão pesada”. Disse não concordar.

“A gente não deixar para trás. Os avanços tecnológicos vão vir juntos com o que já está acontecendo”, declarou. “O regulador não deveria entrar no campo ‘se eu acho que esse produto é bom para você ou não’. É um pensamento totalmente inovação. Acho que as pessoas, diante da informação, é que devem tomar a decisão se é bom o não. O que a gente precisa fazer é ter certeza que os criptoativos têm transparência na forma como são negociados, criados e transacionados. É o caminho que a gente quer ir”, completou.

CONCENTRAÇÃO DE MERCADO Campos Neto disse que tem preocupação com a concentração de custódia dos criptoativos. “Hoje a gente tem 80% dos ativos custodiados mais ou menos em 4 empresas. Em algumas das custódias são servidores centralizadados, não foi aberta a estrutura de backup em algumas delas. […] São sujeitas a invasões”, declarou.

Também afirmou que tem receio com a concentração transacional, que é ter uma ou duas plataformas com 20% ou 30% do mercado.

OPEN FINANCE O Open Finance é uma ferramenta para que as pessoas possam compartilhar dados financeiros para receber produtos personalizados. Segundo Campos Neto, o modelo brasileiro é o mais amplo que tem no mundo. “Basicamente, a ideia é a seguinte: onde tem preço alto, tem informação assimétrica. Se eu não sei muito sobre meu cliente eu tenho que cobrar mais caro porque tem uma assimetria de informação, principalmente quando o serviço envolve um risco unilateral. Eu posso eliminar uma parte dessa informação assimétrica fazendo um sistema aberto”, declarou.

autores Hamilton Ferrari repórter.

Leia mais no texto original: https://www.poder360.com.br/economia/campos-neto-diz-que-cartao-de-credito-deixara-de-existir/


Compartilhe este material